quarta-feira, 29 de junho de 2011

Recursos Ergogênicos - Creatina


De um modo geral, recurso ergogênico pode ser definido como todo produto, processo ou procedimento que melhore o desempenho físico ou possa ser entendido como tal. A tecnologia detém uma grande porção desses recursos, através do desenvolvimento de roupas e equipamentos que aprimoram as performances dos atletas. Podem-se citar as inovadoras roupas que aceleram a evaporação do suor com intuito de aperfeiçoar a troca de calor, os calçados preparados para absorver melhor o impacto e devolvê-lo de forma eficiente para o próximo passo, as bicicletas construídas de forma a deixar o atleta com a inclinação ideal para devido tipo de competição, entre outros.
Que os avanços tecnológicos são de grande valia para o aperfeiçoamento atlético ninguém tem a mínima dúvida, mas outro recurso que é de extrema importância, normalmente não recebe a devida atenção: a alimentação. Atualmente os atletas de alto nível já contam com equipes multidisciplinares que orientam uma dieta adequada para cada tipo de situação. Sabe-se que o suprimento adequado das reservas energéticas é crucial e influencia diretamente no desempenho atlético.
O biomédico é um profissional que detém conhecimentos que o capacita a correlacionar a nutrição (natureza bioquímica dos alimentos) com a bioquímica do exercício e por isso tem espaço naquelas equipes multidisciplinares. Além disso, seu conhecimento quanto a situações patológicas é importante para atentar o próprio atleta ao risco e benefício de uma dieta correta e adaptada a ocasião.
A creatina, atualmente designada como substância nutricional é um importante recurso ergogênico. Bastante utilizada concomitante a prática de exercícios físicos, seu uso melhora o desempenho quando se trata de exercícios de curta duração e alta intensidade, como é o caso dos treinos de academia e competições que exigem explosão muscular. Além de representar uma reserva energética de uso imediato para a célula muscular, seu potencial osmótico favorece um maior fluxo de água e sais para dentro das mesmas. Sendo assim, o uso da creatina pode representar uma suplementação alternativa ao abuso dos esteróides anabolizantes.
Quanto ao seu possível efeito prejudicial à função renal, a literatura apresenta dados muito conflitantes. Muitas publicações científicas evidenciam o dano a função renal de humanos, porém apresentam falhas metodológicas que comprometem seus resultados. Em contra partida, alguns trabalhos demonstram a não existência de comprometimento à filtração renal. Bruno Gualano (Laboratório de Nutrição Experimental e Metabolismo Aplicados à Atividade Motora da Escola de Educação Física e Esporte da USP e pesquisador do Laboratório de Avaliação e Condicionamento em Reumatologia do Hospital das Clínicas) e seus colaboradores mostraram em artigo publicado no Journal of American Society Nephrology em 2006 que uma suplementação de ~10g/dia durante 3 meses não prejudicou em absolutamente nada a função renal. A avaliação do efeito de substâncias como a creatina e também do próprio exercício físico pode ser realizada em laboratório de análises clínicas. Uma idéia interessante são os inovadores equipamentos portáteis capazes de fazer dosagens no próprio local de treino. A interpretação dos resultados é bastante satisfatória quando realizada por biomédicos.

Aluno: Anderson Matias Ramos, Estudante de Biomedicina

Orientador: Prof. André Bellin Mariano, D.Sc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário