domingo, 3 de abril de 2011

Biomédicos e um melhor desempenho no esporte


Quando um atleta se depara com competições em altitudes elevadas o seu desempenho é reduzido, devido à menor disponibilidade de oxigênio neste ambiente.
Para uma permanência adequada na altitude o organismo desenvolve uma série de alterações fisiológicas fundamentais para o fornecimento de oxigênio aos tecidos, seguidas por adaptações crônicas que podem levar meses. Os principais ajustes que ocorrem em resposta a exposição aguda à altitude são a hiperventilação e um maior débito cardíaco.
Em resposta, o organismo aumenta a síntese de catecolaminas (adrenalina e principalmente noradrenalina), esses hormônios ajudam no processo de adaptação a um ambiente com menor quantidade de oxigênio. A adrenalina acelera a freqüência cardíaca e aprimora a contratilidade do miocárdio, aumentando assim o fluxo sangüíneo para os músculos, o consumo de oxigênio e a mobilização de glicogênio.
 Buscando aprimorar a entrega de oxigênio aos tecidos, muitos atletas de elite usam do treinamento na altitude para aperfeiçoarem a preparação física e melhorarem o desempenho ao nível do mar. O tempo de exposição e o nível de altitude são os principais fatores que podem levar a um desempenho otimizado, ou a prejuízos para a saúde do atleta.
 Exposições prolongadas à altitude proporcionam ajustes que ocorrem de maneira mais lenta, para melhorar a tolerância à hipóxia um aumento no número de hemácias e maior concentração de hemoglobina. Os efeitos da aclimatação variam conforme a altitude e a individualidade biológica.
Além das adaptações geradas para uma permanência mais confortável, pessoas expostas à altitude correm o risco de desenvolver alguns problemas de saúde decorrente da quantidade diminuída de oxigênio. Esses problemas, na maioria das vezes, estão ligados a uma subida rápida a grandes altitudes, não respeitando o período de aclimatação, e geralmente desaparecem com a descida para altitudes menores. As condições problemáticas mais comuns que afetam as pessoas na altitude são: Mal agudo das montanhas, Edema pulmonar das grandes altitudes e Edema cerebral das grandes altitudes.
Um treinamento realizado de maneira correta, ao nível ideal de altitude respeitando os períodos de aclimatação, com um acompanhamento biomédico e nutricional, certamente será um diferencial para o desempenho de atletas. Os riscos existem, mas podem ser controlados e anulados se tomadas as devidas precauções.

Autor: Gisele Zimolong, estudante de Biomedicina

Orientador: Prof. André Bellin Mariano, D.Sc.


Um comentário: